quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Recado às eleitoras maranhenses…

Dilma e Roseana...

Por Mônica Moreira Lima

Jornalista

As mulheres do Maranhão saíram nesta quarta-feira às ruas do Centro de São Luís para manifestar o seu apoio a duas mulheres que estão em primeiro lugar nas pesquisas de intenções de voto no Estado e no país: Roseana e Dilma.

Ambas cotidianamente citadas em minhas orações noturnas há bastante tempo e pelo mesmo motivo: as duas são sobreviventes.

Dilma venceu um câncer e Roseana superou inúmeras intervenções cirúrgicas, a mais delicada no cérebro, para se livrar de recorrentes nódulos, felizmente benignos.
Superar obstáculos e vencer preconceitos. Sina de toda mulher brasileira. Luta de tantas Roseanas e Dilmas por esse Brasil afora, do Oiapoque ao Chuí.
Acredito em Dilma. E ao contrário do discurso surrado da oposição, afirmo com convicção: “ela vai dar conta do recado”.
Assim como votei no Lula nas três vezes em que ele perdeu a eleição. Pela certeza de que ele era capaz. Foram preciso quatro tentativas até que o povo perdesse o medo de votar em um legítimo representante do nosso Nordeste e dos pobres desse nosso imenso país.
O Maranhão na última eleição, em alguns de seus 217 municípios deu a quase totalidade de votos válidos ao Lula. Fenômeno extraordinário que se repete com Dilma.

O maranhense não é petista, é Lula Futebol Clube.

Sabemos que Dilma sempre vestiu e honrou a camisa desse time. Joga com desenvoltura, não calça salto alto, tem humildade, uma virtude inerente aos que são craques dentro e fora de campo. Essa mulher guerreira tem espírito esportivo, sabe sua vez de marcar e a de fazer tabelinha com toda a equipe de governo. Tem uma liderança nata e respeita o adversário.

Se Lula é o cara. Dilma é a nossa cara. Elegante como só as mulheres sabem ser. Não entra no jogo sujo, não puxa o tapete de ninguém, respeita as regras do jogo e recebe a imprensa de braços abertos. Participa de debates e sabatinas atendendo a todos os convites democraticamente. Isso num contexto eleitoral em que uma fatia considerável da imprensa que detém ampla maioria de audiência tucanou vergonhosamente tentando criar, sem sucesso, um novo caçador de marajás para nos empurrar goela abaixo.

Nem é preciso esperar Dilma assumir no dia 1º de janeiro para vermos implantada uma nova política de gênero no país. Ela já está em andamento. A visão feminina do atual governo se reflete no Bolsa Família e nas obras do PAC onde a mãe de família é a titular da conta e todas as unidades habitacionais são entregues em nome da mulher.
Transferir a autonomia financeira doméstica à mulher em uma sociedade patriarcal como a brasileira é uma verdadeira revolução do ponto de vista dos direitos da mulher.
Só um presidente como Lula que honra as calças que veste ou as saias que o acompanham.
Esse é, na prática, o maior avanço dos direitos femininos nesse país e a melhor ferramenta contra a violência doméstica. Se o principal cadeado que prende a vítima ao agressor é a dependência financeira: aí está a chave para a libertação da mulher brasileira vitimada pela covardia dos nossos compatriotas.
Lula é o presidente com maior apoio popular da nossa nação em todos os tempos. Por ser o presidente que prometeu distribuir renda no país e cumpriu. Além de ter se tornado um líder político de expressão internacional. Hoje o Brasil está no mapa das grandes potências mundiais pela sua conduta diplomática em favor da paz, do respeito aos direitos humanos e da soberania nacional.
Roseana, como sua líder do governo, apoiou e angariou forças para aprovar cada um de seus projetos. Tem muita gente querendo pegar carona na onda de popularidade do Lula, mas que na hora das marolas dos mensalões e de outros factóides, abandonou o barco e se fingiu de morto.
Roseana resistiu. E ele reconhece e retribui esse apoio agora, nessas eleições, com a mesma lealdade que o grupo Sarney sempre teve ao seu governo.

Dilma e Roseana caminham juntas num momento decisivo sócio-economicamente para o nosso estado. Refinaria de petróleo da Petrobras em Bacabeira, siderúrgica, aciaria, ampliação de portos, descoberta de reservas de gás em Capinzal do Norte e poços de petróleo à vista. Novas oportunidades de crescimento econômico, de geração de emprego e renda para o povo maranhense, de um salto considerável na qualidade de vida da nossa gente.
Não é hora de desperdiçar voto. É hora da mulher que detém a maioria do eleitorado, decidir essa eleição.
Todas nós fomos geradas nove meses dentro de uma mulher. E somos responsáveis por fabricar as novas gerações. Nesse ponto a participação do homem é infinitamente menor e mais prazerosa.
Se Deus nos fez capazes de construir novos seres, quanto não será mais fácil para uma mulher, gerenciar uma nova fase do nosso estado e continuar a construção de um novo país?

Mulher vota em mulher. O futuro do Maranhão e do Brasil está em nossas mãos.

Reproduzido de “O Estado do Maranhão”

Nenhum comentário:

Postar um comentário