sábado, 19 de fevereiro de 2011

Com proibição de medicamentos inibidores de apetite, novas medidas contra a obesidade passam a ser analisadas

Com o anúncio esta semana da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a audiência pública em que discutirá o cancelamento do registro de medicamentos contra a obesidade que contenham sibutramina e derivados de anfetamina, abre-se uma lacuna para o tratamento deste que é considerado um dos maiores problemas de saúde pública mundial.

Embora o tema deva receber parecer definitivo apenas no dia 23 de fevereiro, data da audiência da Agência, médicos especialistas já discutem o impacto da medida para os milhares de obesos em tratamento no País.

Segundo o dr. José Afonso Sallet, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), a decisão sobre a retirada de circulação destes medicamentos deve ser acompanhada de propostas reais para o atendimento das necessidades dos obesos, que não podem ficar a deriva de um tratamento. "A recomendação de que a obesidade deva ser tratada com dieta e exercício, embora indiscutível, é muito simplista e não resolve o problema de milhares de pessoas que definitivamente não conseguem reduzir o peso sem auxílio mais efetivo", relata.

Dados do IBGE comprovam que a obesidade aumenta a cada ano, inclusive na infância. Na contramão do problema, a população busca incessantemente métodos para sair do sobrepeso e, consequentemente, diminuir os riscos de doenças crônicas causadas por este. Porém, o índice de resultados apenas com dietas e exercícios é de menos de 10%, fazendo com que as dificuldades em perder peso façam o indivíduo desistir até mesmo dos hábitos saudáveis, agravando ainda mais a sua obesidade.

Dr. Sallet salienta que a indicação da Anvisa projeta a ideia de que a obesidade é uma condição apenas de força de vontade, quando na verdade está ligada - em sua grande maioria de casos - a fatores mais complexos, incluindo a síndrome metabólica.

Dentre as medidas que surgem neste novo cenário de restrição medicamentosa, o método do Balão Intragástrico tem se mostrado viável e eficaz. Aprovado pela ANVISA, o produto é um dispositivo cilíndrico de silicone, colocado por via endoscópica dentro do estômago e preenchido com soro fisiológico estéril, com volume ajustado de acordo com a necessidade de cada individuo (400 ou 600 ml).

O tratamento tem o benefício da simplicidade de aplicação, segurança e não impedimento da absorção dos nutrientes dos alimentos pelo corpo.

Com a possibilidade de perda média de 12 a 15% do excesso de peso em seis meses, que é o período para a permanência do balão no estômago, o individuo tem o tempo e o estímulo necessários para a devida reeducação de hábitos alimentares e de atividades físicas.

"O apoio multidisciplinar é fundamental em qualquer tratamento contra a obesidade e com os devidos estímulos e orientações profissionais, o indivíduo consegue chegar aos seus objetivos de forma saudável e com muito mais chances de sucesso", completa dr. Sallet.

Fonte para entrevista:
Dr. José Afonso Sallet - Mestre em Cirurgia do Aparelho Digestivo pela UNICAMP - SP, Especialista em Cirurgia Laparoscópica pelo Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva (CBCD)
Coordenador do Protocolo de Balão Intragástrico pelo Ministério da Saúde
Membro Titular da Federação Internacional para a Cirurgia da Obesidade (IFSO)
Membro Titular da Sociedade Americana de Cirurgia e Endoscopia (SAGES)
Diretor do Instituo Sallet de Medicina (Departamento de Cirurgia Bariátrica e Metabólica).

Nenhum comentário:

Postar um comentário