sábado, 5 de maio de 2012

Maranhão terá safra recorde de 717.990 t de milho


Mesmo com a irregularidade das chuvas no Maranhão, de acordo com os dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, realizado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), na safra deste ano o estado terá uma colheita recorde de milho de 717.990 toneladas. A produção representa um aumento de 11,11%, comparado ao ano passado, quando foram colhidas 646.209 toneladas do grão.
Aproximadamente 11% da produção total do milho que será colhido este ano é cultivada por agricultores familiares, que receberam 883 toneladas de sementes selecionadas do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima).
Das 71.781 toneladas a mais de milho que serão colhidas este ano em todo o estado, as sementes doadas pela Sagrima possibilitarão um acréscimo de 81.236 toneladas na produção total de milho no Maranhão.
Os agricultores familiares que receberam as sementes plantaram uma área de 44.150 hectares. Cada agricultor familiar recebeu, em média, 10 quilos de sementes.
O secretário de Agricultura, Cláudio Azevedo, explicou que estas sementes fazem parte do Programa Plantar e Colher no Maranhão. “Além das sementes de milho, foram distribuídas este ano pela Sagrima, 1.000 toneladas de sementes de arroz, 3.250 quilos de sementes de frutas e hortaliças, além de 400 toneladas de sementes de feijão, que estão sendo distribuídas desde a semana passada, em todo o estado”, explicou Cláudio Azevedo.
Ele ressaltou que este ano o governo estadual aumentou ainda mais a quantidade de sementes distribuídas. No ano passado, foram entregues, por exemplo, 700 toneladas de milho e 145 toneladas de feijão. “A cada ano o Maranhão aumenta a produção de grãos e a Sagrima está contribuindo com esse crescimento da safra agrícola, por meio da distribuição de sementes de qualidade, entregues na época certa, para que os agricultores familiares também sejam inseridos no crescimento do setor produtivo maranhense”, afirmou Cláudio Azevedo.

Safra de grãos
Dados do IBGE apontam que o Maranhão terá uma safra de grãos recorde neste ano, com 3,524 milhões de toneladas de soja, milho, feijão e algodão, representando um incremento de 6,5%, quando comparado à safra de 2010/2011.
O plantio de soja prevê um aumento de 16,95% na produção, com uma colheita de 1.837.816 toneladas. No ano passado foram colhidas 1.571.418 toneladas de soja, numa área de 530.539 hectares, 4,86% a menos do que este ano, que é de 556.314 hectares. No entanto, a produtividade da soja aumentou em 11,5% este ano, que é de 3.304 toneladas colhidas por hectare.
Já a produtividade do milho aumentou em 8,55%, com uma previsão de colher 1.840 toneladas por hectare (na safra passada foi de 1.695/h), numa área de cultivo de 390.300 hectares, representando um aumento de área de 2,36%, comparado à safra anterior, que foi de 381.297 hectares.

Agricultores elogiam sementes selecionadas de milho

Como no Maranhão o início do plantio e consequentemente da colheita são diferentes nas diversas regiões do estado, por causa dos vários ecossistemas existentes, no caso de Imperatriz e Santa Inês, alguns agricultores familiares já iniciaram a colheita do milho verde, que é quando o grão ainda está mole, bastante utilizado para consumo humano, tanto in natura --, cozido ou assado - como na fabricação de pamonha e canjica.
O gestor do escritório da Agência de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Imperatriz (Agerp), José Ribamar Araújo da Silva, informou que em meados de junho inicia a colheita do milho seco, que é utilizado como ração para pequenos animais. “Esse é um milho mais duro que alguns produtores deixam armazenados na espiga mesmo e à medida que vão precisando, utilizam como ração para pequenos animais”, explicou Araújo. “Alguns produtores também separam uma pequena parte da produção e colocam em sacos para vender nas feiras”, acrescentou ele.
A Agerp é parceira da Sagrima na distribuição das sementes e também responsável pela assistência técnica aos agricultores familiares maranhenses.
O secretário municipal de Produção e Meio Ambiente de Central do Maranhão, Pedro William Coelho Ribeiro, afirmou que os produtores elogiaram bastante a qualidade das sementes. “Eles gostaram demais da semente, que é adaptada para nossa região e que chegou na época certa do plantio”, disse Pedro William.
Ele falou também das embalagens das sementes, que são distribuídas em sacos de 10 quilos. “Facilita muito a distribuição porque o produtor recebe a quantidade certa que ele vai precisar”, declarou o secretário.
“Antes a embalagem vinha em sacos de 20 quilos e ficava ruim para distribuir porque tinha que separar em sacolas e isso às vezes provocava a perda do poder de germinação”, explicou o agricultor familiar e líder comunitário de Central do Maranhão, Newton Monteiro.
O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Peritoró, Severino Moura, informou que os produtores estão aguardando o amadurecimento do grão e a previsão é de que a colheita seja iniciada no final deste mês, se estendendo até o mês de julho. “Nós não temos produção de milho em larga escala em Peritoró, geralmente os agricultores plantam uma área que mede de 1 a 2 hectares”, explicou Moura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário