sábado, 23 de fevereiro de 2013

Agricultores aproveitam chegada das chuvas para iniciar plantio de arroz e milho



A regularidade das chuvas nos municípios da Baixada Maranhense e do Baixo Parnaíba está trazendo uma nova esperança a agricultores familiares que aguardavam a chuva para iniciar o plantio de arroz e milho. Os agricultores que receberam as sementes distribuídas pelo Governo do Estado, por meio das Secretarias de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sagrima) e de Desenvolvimento Social e Agricultura Familiar (Sedes), plantaram os insumos logo nos primeiros dias de chuva.
Por meio do Programa Viva Sementes, foram distribuídas a 150.500 agricultores familiares maranhenses, 1.505 toneladas de sementes de arroz e milho. Agricultores das Regiões Tocantina e Sul do Maranhão, por exemplo, não tiveram problemas com chuvas e deram início ao plantio ainda no mês de dezembro, devendo iniciar a colheita nos meses de março e abril.
O secretário da Sagrima, Cláudio Azevedo, afirmou que por conta da falta de chuvas, os produtores que fizeram o plantio anteriormente perderam suas lavouras. "Choveu em algumas regiões e os produtores plantaram logo de imediato. Outros aguardaram um pouco mais e só plantaram quando realmente as chuvas regularizaram", explicou ele.
Na regional de Viana, por exemplo, o gestor do escritório regional da Agência de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), Marlúcio de Jesus Mendonça, explicou que o que determina o início do plantio de arroz na região é o solo encharcado. "Muitos agricultores que se anteciparam no plantio perderam suas plantações, pois foram quase 30 dias sem chuva. Quem guardou a semente fez o plantio logo após o reinício das chuvas", explicou ele.
O presidente da Associação dos Produtores Rurais do Povoado Ricoa - localizado em Viana - Claudionor Oliveira, informou que alguns produtores ainda estão receosos em plantar novamente, após perderam suas lavouras. "Aqui tá chovendo muito e algumas áreas estão alagadas e não tem como meter a enxada pra plantar", contou ele.
Nos municípios da regional de Pinheiro, o gestor da Agerp, José Orlando Martins Ferreira, afirmou que a expectativa é de que se as chuvas continuarem caindo, a safra vai ser boa. "Poucas pessoas plantaram as sementes e a maioria resolveu aguardar as chuvas. Eles já estão concluindo o plantio", contou ele, que recebeu 60 toneladas de sementes de milho e 60 toneladas de arroz para distribuir aos agricultores da região.
No caso da regional do Baixo Parnaíba, que estava enfrentando seca, houve perda de até 80% no plantio de agricultores que vivem nos municípios da área leste do Estado, como é o caso de Santana do Maranhão. Por meio do Programa Viva Sementes foram destinadas 51 toneladas de sementes de arroz e 40 toneladas de milho.
"Graças a uma parceria entre a Agerp e a Embrapa, nós distribuímos sementes extras de milho a agricultores que perderam o plantio", explicou o gestor da Agerp de Chapadinha, Daniel José Coelho Almeida.
Apesar das dificuldades enfrentadas pelos agricultores familiares neste início de safra, o secretário Cláudio Azevedo lembrou que a expectativa para a safra 2012/2013 é de um aumento de 41,67% na produção de arroz, em relação à safra passada, devendo atingir uma colheita de 622.143 toneladas, segundo dados do IBGE.
Mesmo com a estiagem do ano passado, a produção de arroz conseguiu manter o Maranhão como maior produtor nordestino e 3º maior produtor do país, atrás apenas de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, o que está previsto se repetir também para a safra deste ano.
O IBGE prevê, ainda, que a produção de milho seja de 855.209 toneladas na safra 2012/2013, representando um aumento de 31,73%, comparado à safra 2011/2012.
Grãos
Considerando as culturas do arroz, milho, feijão e soja, a produção de grãos do Maranhão terá um aumento de cerca de 10% em relação a safra 2011/2012, com uma produção de 3,3 milhões de toneladas de grãos, tendo a soja como responsável por mais de 50% dessa produção, com uma colheita estimada de 1,8 milhões de toneladas.
No caso da soja, a colheita já foi iniciada na Região Sul do Maranhão, responsável por mais de 90% de toda a produção do estado, que tem, ainda, o Baixo Parnaíba como a segunda região que mais produz o grão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário