quarta-feira, 20 de março de 2013

Roseana autoriza início das obras dos hospitais de Santa Inês, Pinheiro, Imperatriz e Chapadinha


Para garantir mais saúde a moradores de quatro regiões do Maranhão, a governadora Roseana Sarney e o secretário de Estado de Saúde, Ricardo Murad, assinaram as Ordens de Serviço para início da construção dos Hospitais Macrorregionais de Santa Inês, Pinheiro e Imperatriz e do Hospital Regional de Chapadinha. A solenidade ocorreu nesta quarta-feira (20), no Palácio dos Leões. Presentes os prefeitos das cidades beneficiadas Sebastião Madeira (Imperatriz); Ribamar Alves (Santa Inês); Filuca Mendes (Pinheiro) e Ducilene Belezinha (Chapadinha).
“Nosso objetivo é inaugurar esses hospitais até março do próximo ano. Estamos fechando nosso planejamento de saúde, criando uma rede que inclui os Hospitais Macrorregionais que vão se somar as unidades de menor porte”, ressaltou a governadora Roseana, enfatizando que a área da saúde é prioridade em seu governo.
“Em pouco mais de três anos o governo estadual mudou radicalmente a face da saúde pública realizando um programa ousado, que vai melhorar a qualidade do atendimento médico da população”, revelou o secretário de Saúde, Ricardo Murad. Ele afirmou que todos os hospitais construídos e entregues pelo governo vão compor a rede integrada para atender a todas as necessidades dos pacientes. A meta é concluir até junho a entrega de 50 hospitais - 15 já foram inaugurados.
Participaram da solenidade o vice-governador Washington Luiz Oliveira; o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Arnaldo Melo; secretários estaduais Luis Fernando Silva (Infraestrutura); João Guilherme Abreu (Chefe da Casa Civil); Clodomir Paz (Programas Especiais); Cláudio Azevedo (Agricultura); Hildo Rocha (Assuntos Políticos e Cidades e Desenvolvimento Urbano); Antônio Heluy (Trabalho e Economia Solidária); e Victor Mendes (Meio Ambiente); deputados estaduais, prefeitos, ex-prefeitos e vereadores, entre outras autoridades.
 


Aprovação dos prefeitos
Os prefeitos agradeceram a governadora pelo início das obras. Sebastião Madeira, de Imperatriz, reconheceu o esforço do governo estadual para melhorar a saúde de Imperatriz e destacou a parceria institucional para alavancar o município. “Esperamos que o Hospital Macrorregional dê um grande suporte no atendimento de alta complexidade. A unidade será fundamental para darmos continuidade ao atendimento dos pacientes das cidades vizinhas e também do Pará e do Tocantins”, afirmou.
Madeira destacou o bom relacionamento que mantém com o Governo do Estado, que tem desenvolvido ações e obras também em outras áreas na cidade. “Independente de partido político, pedi ajuda à governadora Roseana Sarney, em 2010, pois estávamos vivendo um caos no atendimento em saúde. E se hoje temos mais de 100 UTIs em Imperatriz e uma ampla parceria, demonstra que estamos acima de ideais partidários e que trabalhamos pelo Maranhão”, ressaltou.
A prefeita Ducilene Belezinha, de Chapadinha, afirmou que o Hospital Regional vai melhorar muito o setor em Santa Inês. “A cidade está precisando. Hoje, dispomos de um hospital com 77 leitos para fazer o trabalho de urgência e emergência, obstetrícia, pediatria e clínica médica, e que atende também a outros municípios da região do Baixo Parnaíba”, explicou.
O prefeito de Santa Inês, Ribamar Alves, também destacou o trabalho conjunto com o governo para levar ações e obras ao município. “O hospital traz mais saúde e também incremento para a economia da cidade, pois o paciente que chega vem com acompanhante, que se hospeda, compra comida, roupa e outros produtos. Por isso, temos certeza, que o hospital trará crescimento para Santa Inês”, observou o gestor.
Segundo ele, hoje Santa Inês atende a uma população em torno de 750 mil habitantes, incluindo pacientes da Região da Baixada e até do Pará. “A iniciativa do governo vai ajudar a mudar a nossa situação e evitar transferir pacientes para São Luís ou mesmo Teresina”, declarou.
Filuca Mendes, prefeito de Pinheiro, observou que o município também atende a municípios da Baixada Maranhense. “O Hospital Macrorregional é uma necessidade imperativa que vai melhorar o atendimento médico, pois, hoje, sem ter condições de realizar atendimento de alta complexidade, temos que transferir pacientes para São Luís, mas sofremos com essa travessia de ferry boat”, ressaltou.

Hospitais
Financiados com recursos captados pelo governo junto ao Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), os Hospitais Macrorregionais de Imperatriz (orçado em R$ 17,9 milhões), Santa Inês (R$ 17,8 milhões) e Pinheiro (R$ 17,7 milhões) têm projetos arquitetônicos idênticos. Cada um terá 100 leitos de internação em enfermarias, 12 leitos de UTI, quatro salas de cirurgia, Unidade de Pronto Atendimento (UPA) funcionando 24 horas, central de imagem com exames de ultrassonografia, raio-x, endoscopia e mamografia, além de laboratório de análises clínicas. Dispõe, ainda, de lavanderia, cozinha, reservatórios de água, tratamento de esgoto, subestação e poços artesianos próprios.
O Hospital Regional de Chapadinha, orçado em R$ 15.075.684,99, vai dispor de 50 leitos, seguindo o mesmo padrão das unidades já entregues na primeira etapa do Programa Saúde é Vida em Barreirinhas, Grajaú, Alto Alegre do Maranhão, Peritoró, Coroatá e Timbiras. O programa também já entregou 10 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) - 5 em São Luís e outras em Imperatriz, Timon, Codó, Coroatá e São João dos Patos.
Os novos hospitais integram a segunda etapa do Programa Saúde é Vida, empreendido pelo Governo do Maranhão. Com investimentos de mais de R$ 500 milhões, o Programa Saúde é Vida foi concebido com o objetivo de construir, equipar e ajudar a operacionalizar hospitais em municípios maranhenses.


CORRELATA

Governadora faz balanço do Programa Saúde é Vida

A governadora Roseana Sarney aproveitou a solenidade de assinatura das ordens de serviço para apresentar um breve balanço do Programa Saúde é Vida. Ela ressaltou que, com o funcionamento de todos os 72 hospitais do programa, o Maranhão terá 1.680 novos leitos hospitalares, superando a média de 2,3 leitos por cada 1.000 habitantes, recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS).
Roseana Sarney citou todas as obras já inauguradas do Programa Saúde é Vida – hospitais nos municípios de Lago dos Rodrigues, Paulino Neves, Morros, Magalhães de Almeida, Sucupira do Riachão, São Félix de Balsas, Jatobá, São João do Sóter, Primeira Cruz, Tufilândia, Grajaú, Barreirinhas, Alto Alegre do Maranhão, Peritoró, Coroatá e Timbiras, e 10 Unidades de Pronto Atendimento em São Luís, Imperatriz, Coroatá, Codó, Timon e São João dos Patos e anunciou os meses em que serão entregues as demais unidades hospitalares.
“Temos 15 hospitais já concluídos e sendo equipados, outros 28 que estão com as obras em andamento e serão concluídos nos meses de março, abril, maio e junho deste ano, e mais 14 obras que vão ser novamente licitadas, porque as construtoras apresentaram problemas e serão substituídas”, informou a governadora.
Ela também destacou que, embora as UPAs sejam um programa federal, 60% dos custos de manutenção dessas unidades são bancados pelo Governo do Estado, e que duas delas – a da Cidade Operária e a do Vinhais – são mantidas exclusivamente com recursos estaduais. Acrescentou ainda que, quando assumiu o governo, em 2009, a rede pública estadual contava com 78 leitos de UTI. Hoje, são 315 leitos públicos estaduais de UTI à disposição da população maranhense.
“Saúde é a maior prioridade do nosso governo, porque sem saúde a população não pode trabalhar, estudar, nem ter qualidade de vida. Por isso a nossa determinação de oferecer aos maranhenses saúde pública de qualidade, em todas as regiões do Maranhão”, finalizou Roseana Sarney.

Nenhum comentário:

Postar um comentário