terça-feira, 25 de junho de 2013

Representada pelo Palmeiras, a Seleção venceu o Uruguai

Por um lugar na decisão da Copa das Confederações, Brasil e Uruguai se enfrentam nesta quarta-feira, às 16h (de Brasília), no Mineirão, um estádio inaugurado justamente com um amistoso entre as duas seleções. Foi em 6 de setembro de 1965, e os brasileiros venceram por 3 a 0. E com um detalhe que hoje soa para lá de curioso: a Seleção foi representada pela equipe inteira do Palmeiras. Até o treinador era do Verdão – o argentino Filpo Nuñez, que, assim, se tornou o único estrangeiro a comandar o time do Brasil. Rinaldo (de pênalti), Tupãzinho e Germano fizeram os gols da vitória brasileira.
Gol Tupãnzinho, especial Brasil x Uruguai em 1965 em Belo Horizonte (Foto: Divulgação / Arquivo Palmeiras)Tupãzinho foi o autor de um dos gols do Brasil sobre o Uruguai (Foto: Divulgação / Arquivo Palmeiras)
A decisão de convidar o Palmeiras para representar a Seleção no amistoso partiu da antiga CBD (Confederação Brasileira de Desportos). O time alviverde era uma das grandes potências do futebol brasileiro na época, ao lado do Santos, de Pelé, e do Botafogo, de Garrincha. Entre os destaques da equipe estavam alguns dos maiores ídolos da história do clube, como o lateral-direito Djalma Santos, bicampeão mundial (58 e 62), o goleiro Valdir de Moraes, o zagueiro Valdemar Carabina, o atacante Julinho Botelho e os meio-campistas Dudu e Ademir da Guia.
- O Palmeiras era um time praticamente imbatível naquela época, assim como o Santos – recordou Valdir.
Pôster, especial Brasil x Uruguai em 1965 em Belo Horizonte (Foto: Divulgação / Arquivo Palmeiras)Pôster mostra a seleção formada para a partida contra o Uruguai (Foto: Divulgação / Arquivo Palmeiras)
- Chamaram o Palmeiras porque o Santos estava numa excursão no exterior. Como o amistoso foi marcado muito em cima da hora, não fizeram uma seleção, resolveram levar o time inteiro do Palmeiras, que era o único que rivalizava com o Santos naquela época – emendou Dudu.
especial Brasil x Uruguai em 1965 em Belo Horizonte (Foto: Divulgação / Arquivo Palmeiras)Troféu entregue após a partida de inauguração do
Mineirão (Foto: Divulgação / Arquivo Palmeiras)
Os ex-jogadores falam com muita emoção daquela partida.
- Defender a Seleção é uma honra, mas defender a Seleção com seu time do coração... é uma emoção que não se esquece jamais – disse Valdir.
Os dois lembram com carinho da emoção do treinador Filpo Nuñez, que morreu em 1999, aos 79 anos, em São Paulo, lembrando sempre da honra de ter sido o único estrangeiro a comandar a seleção brasileira.
- Ele só ficou bravo porque na foto oficial do jogo, feita com os jogadores em fila, ele ficou por último e quase não aparece – recordou Valdir, aos risos.
A reportagem completa, com vídeo, você acompanha no programa Globo Esporte desta quarta-feira, a partir das 12h50 (de Brasília), na

Nenhum comentário:

Postar um comentário