sábado, 2 de novembro de 2013

Sagrima e Aged lançam campanha contra a febre aftosa nesta segunda-feira (4)


Nesta segunda-feira (4), a Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sagrima) e a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) realizam, com apoio da Associação dos Criadores do Estado do Maranhão (Ascem), o lançamento oficial da 2ª etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa no Maranhão.
 O objetivo é sensibilizar os criadores para a importância da vacinação para manter o estado com a classificação sanitária de zona livre da doença, conquistado no início do mês de setembro deste ano.
 Nessa etapa da campanha, segundo levantamento da Aged o Maranhão precisa imunizar mais de 7,5 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos até o dia 30 deste mês, quando será encerrado o período oficial de vacinação determinado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).
 Para o lançamento da campanha foram convidados criadores filiados à Ascem, além de representantes de entidades rurais. O secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Cláudio Azevedo, destaca que o evento é uma forma de reforçar entre os criadores a necessidade de imunização do rebanho. ”A obrigatoriedade da vacinação permanece, assim como em praticamente todos os estados brasileiros que conquistaram a zona livre – apenas Santa Catarina é dispensada da obrigatoriedade da vacinação anual -, porém, brevemente esperamos receber a certificação internacional de zona livre, o que, apesar de não nos eximir do dever de imunizar o rebanho nos permitirá exportar nosso gado para os principais mercados compradores de carne do mundo”, afirmou.
 O diretor geral da Aged, Fernando Lima, alertou que, ao contrário de campanhas anteriores, não será possível estender o período oficial de campanha desta vez, devendo o criador ficar atento aos prazos-limites para vacinação (30 de novembro) e comprovação da imunização do rebanho nos escritórios da Agência.
“Como estamos concorrendo à certificação internacional teremos que cumprir rigorosamente os prazos impostos pelo Ministério [da Agricultura, Pecuária e Abastecimento], pois em fevereiro de 2014 receberemos uma comissão europeia que avaliará se os estados que subiram de status sanitário, entre eles o Maranhão, de fato erradicaram a febre aftosa e tem condições de manter esse controle sanitário”, explicou o diretor.
 Juntamente com o Maranhão, foram certificados nacionalmente como zonas livres de febre aftosa com vacinação os estados do Pará, Ceará, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba e Alagoas. A Assembleia Geral da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), que decidirá se os estados receberão ou não a certificação internacional de zona livre da doença, está marcada para acontecer em maio de 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário