domingo, 5 de abril de 2015

Deputado diz que projeto de Dino depende da situação econômica

Antonio Pereira: campanha no interior
Antonio Pereira: economia influenciará

O deputado Antônio Pereira (DEM) declarou, ao participar da primeira reunião da Comissão de Assuntos Econômicos da Assembleia, que o sucesso do plano de desenvolvimento econômico do Maranhão – idealizado pelo governador Flávio Dino para beneficiar a população na saúde, educação e infraestrutura – depende da estabilidade econômica do Estado e da União.
Durante a reunião, Antônio Pereira debateu sobre planejamento para o desenvolvimento econômico do Maranhão. Na ocasião, o presidente da Comissão, deputado Adriano Sarney (PV), se colocou à disposição para promover debates com os segmentos da sociedade acerca do desenvolvimento regional do Maranhão.
A Comissão definiu que os primeiros debates serão realizados com prefeitos, vereadores, empresários e com a sociedade organizada na Baixada Maranhense. Antônio Pereira informou que a meta é discutir o desenvolvimento em todas as regionais. Ao cumprir a meta, a Comissão entregará um relatório ao governador.
Em pronunciamento na tribuna da Assembleia, Antônio Pereira ressaltou que, desde 1964, o Brasil foi o segundo país que mais incorporou pessoas ao mercado de trabalho (257%). Segundo ele, a previsão para os próximos 50 anos é de que o Brasil seja um dos países que menos vai incorporar pessoas ao mercado de trabalho.
Produtividade – Diante dessa realidade, o deputado Antônio Pereira sugeriu ao poder Executivo Estadual metas para incentivar a produtividade, porque o Brasil agora se encontra numa verdadeira encruzilhada, pois não tem mais pessoas para colocar no mercado de trabalho, na mesma quantidade dos outros anos.
O democrata prevê que sem grande produtividade, nos próximos 50 anos, o Brasil será um dos países que menos vai crescer economicamente. “Enfrentamos dificuldades momentâneas, mas no meio internacional acredita-se que é perfeitamente viável e o Brasil pode voltar a crescer e se desenvolver”, afirmou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário