segunda-feira, 28 de março de 2016

Hildo Rocha participa de debate sobre Campanha da Fraternidade


O deputado federal Hildo Rocha (PMDB/MA) participou da comissão geral realizada na Câmara Federal que debateu a Campanha da Fraternidade de 2016 que é coordenada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Em pronunciamento na tribuna da Câmara, o parlamentar falou da importância tema escolhido pela CNBB para este ano, e destacou aspectos referentes tema que causam impacto na qualidade de vida da população. “O tema da Campanha da Fraternidade deste ano, “Casa Comum, Nossa Responsabilidade”, propõe ao povo brasileiro fazer uma reflexão sobre a situação do saneamento ambiental em nosso país”, declarou.

Mortandade infantil
Rocha disse que a cada 20 segundos morre uma criança no Brasil por falta de saneamento ambiental. “Milhares de crianças morrem por falta de esgotamento sanitário; por falta d água potável. Água que falta também para os adultos e idosos que vem contraindo cada vez mais enfermidades por falta do tratamento da agua, dos dejetos e do lixo”, declarou.

Epidemias
O deputado enfatizou que muitos gestores públicos não se preocupam com a questão ambiental. Rocha disse que isso tem contribuído para a elevação de doenças como o Zika vírus, a dengue e a Chikungunya. Rocha lembrou que o tratamento inadequado do lixo contribui para o acúmulo de água que fica empossada criando, assim, condições para que o mosquito aedes aegypti possa proliferar.

“A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que as crianças e os adolescentes que vivem em ambiente que não tem saneamento ambiental tem o rendimento escolar 18% inferior ao de estudantes que moram em local saneado”, destacou.

Rocha apontou ainda dados do IBGE segundo os quais no Brasil cerca de 20 mil pessoas morrem anualmente de diarreia por falta de saneamento. “Morrem mais pessoas no Brasil de diarreia por ano do que nos países da África, que são bem mais atrasados do que o nosso pais. Prova maior de que as nossas politicas públicas voltadas para o saneamento fracassaram”, assegurou Rocha.

Segundo o parlamentar, no que se refere ao fornecimento de água tratada, o Maranhão, tem uma boa cobertura. Mas, no que diz respeito ao destino do esgotamento sanitário não há um resultado favorável. “Apenas 20% dos domicílios tem esgotamento sanitário”, disse, lamentou.


Nenhum comentário:

Postar um comentário