Com a aproximação do dia da eleição, os contratos se excedem. São quatros institutos que cobram geralmente entre R$ 35 mil até R$ 65 mil no Maranhão, onde todos estão instalados. Com a crise que se abate sobre os veículos de comunicação, nenhum deles, notadamente os impressos, teriam condições para a contratação de tantas pesquisas.
Econométrica, Exata, Data Ilha, Interpreta e DataM passaram a se revezar neste mês de setembro, mas agora nesta semana eles estão com pesquisas desde segunda até sábado.
A estratégia dos governistas é manter na cabeça do eleitor que Flávio Dino ganha no primeiro turno. A realidade das urnas pode revelar surpresas, mas para os aliados e donos de institutos não existem limites.
Embora o volume de campanha de Roseana Sarney tenha aumentado consideravelmente com carreatas e caminhadas no interior e capital, além da adesão de lideranças, cada vez mais os institutos vão reduzindo os percentuais da candidata.
Agora é aguardar o resultado das urnas!