quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Tratamento para dor coluna vertebral com radiofrequência De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, 80% da população, em algum momento da sua vida, venha a ter dores na coluna. Um em cada quatro pacientes evoluem com sintomas que podem permanecer por mais de 12 semanas. Em casos dessa natureza, a orientação é que sejam avaliados mais detalhadamente. Confirmado o diagnóstico de dor na coluna com alteração na estrutura da coluna, que geralmente é provocado por desgaste ou excesso de carga na coluna provocando inflamação ou degeneração de algumas estruturas principalmente os discos e as facetas, especialistas recomendam o tratamento através do uso de radiofrequência. O tratamento consiste numa técnica minimamente invasivo (sem corte) onde eletrodos são inseridos em certos pontos da coluna e é feita uma espécie de cauterização dos nervos. O médico especialista em coluna, Dr. André Pagotto, explica mais detalhadamente com o procedimento é feito. “A radiofrequência é um procedimento minimamente invasivo, realizado com sedação e anestesia local, que se tornou uma grande esperança para o tratamento da dor crônica da coluna (dor cervical, dor lombar, hérnia de disco)”. Ainda conforme o especialista, o procedimento é indicado para pacientes que não melhoram com o tratamento clínico, pacientes que não podem ou não querem ser submetidos a cirurgias abertas (como a artrodese), e também para aqueles que já foram operados da coluna e não possui uma melhora. A técnica é apresentada de duas maneiras, a radiofrequência convencional, que de acordo com Pagotto, funciona através do calor, causando lesão térmica nas estruturas alvo. E, a radiofrequência pulsada, que gera ondas seguidas de pausa, ou seja, a temperatura não eleva tanto quanto na convencional, e a corrente elétrica gerada modula as sinapses nervosas, acabando com a transmissão dos estímulos dolorosos. É importante ressaltar que todo o procedimento de ablação por radiofrequência geralmente leva de 30 a 60 minutos (depende da quantidade e das regiões a serem tratadas) e os pacientes retornam para casa no mesmo dia. No dia do procedimento, os pacientes são aconselhados a evitar dirigir e a evitar atividade física extenuante.



De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, 80% da população, em algum momento da sua vida, venha a ter dores na coluna. Um em cada quatro pacientes evoluem com sintomas que podem permanecer por mais de 12 semanas. Em casos dessa natureza, a orientação é que sejam avaliados mais detalhadamente.

Confirmado o diagnóstico de dor na coluna com alteração na estrutura da coluna, que geralmente é provocado por desgaste ou excesso de carga na coluna provocando inflamação ou degeneração de algumas estruturas principalmente os discos e as facetas, especialistas recomendam o tratamento através do uso de radiofrequência.

O tratamento consiste numa técnica minimamente invasivo (sem corte) onde eletrodos são inseridos em certos pontos da coluna e é feita uma espécie de cauterização dos nervos. O médico especialista em coluna, Dr. André Pagotto, explica mais detalhadamente com o procedimento é feito.

“A radiofrequência é um procedimento minimamente invasivo, realizado com sedação e anestesia local, que se tornou uma grande esperança para o tratamento da dor crônica da coluna (dor cervical, dor lombar, hérnia de disco)”.

Ainda conforme o especialista, o procedimento é indicado para pacientes que não melhoram com o tratamento clínico, pacientes que não podem ou não querem ser submetidos a cirurgias abertas (como a artrodese), e também para aqueles que já foram operados da coluna e não possui uma melhora.

A técnica é apresentada de duas maneiras, a radiofrequência convencional, que de acordo com Pagotto, funciona através do calor, causando lesão térmica nas estruturas alvo. E, a radiofrequência pulsada, que gera ondas seguidas de pausa, ou seja, a temperatura não eleva tanto quanto na convencional, e a corrente elétrica gerada modula as sinapses nervosas, acabando com a transmissão dos estímulos dolorosos.

É importante ressaltar que todo o procedimento de ablação por radiofrequência geralmente leva de 30 a 60 minutos (depende da quantidade e das regiões a serem tratadas) e os pacientes retornam para casa no mesmo dia. No dia do procedimento, os pacientes são aconselhados a evitar dirigir e a evitar atividade física extenuante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário