quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Em reunião, OAB Imperatriz e Associação de Odontologia da Região Tocantina debatem situação de clinicas ortodônticas da região

A OAB Subseção Imperatriz esteve em reunião nesta quarta-feira (09) com a Associação de Odontologia da Região Tocantina para debater questões relacionadas à situação de clínicas populares de odontologia de região, que, segundo denúncia, não estariam trabalhando de acordo com as normas de exigência da vigilância sanitária e normas do setor. A ação conjunta das duas entidades tem como principal motivo uma representação junto ao Ministério Público para que sejam avaliadas as condições em que as clínicas de Odontologia estão oferecendo os serviços, além de melhorias para os profissionais de odontologia.
Ainda na reunião foi discutida a falta de recursos materiais para profissionais do setor público e baixo salário para a classe. Estiveram presentes a presidente da OAB Márcia Cavalcante, o Presidente da Comissão de Direitos Difusos e Coletivos, Daniel Macêdo, o presidente da Associação, Levir Cruz de Lima, o vice-presidente Wesckley Sales Caron e o 2ª secretário da entidade, Manoel Paiva Soares.
Das alegações expostas durante a reunião o presidente da associação diz que alguns profissionais que estão no serviço público não cumprem a jornada completa de trabalho por falta de equipamentos adequados, e que, muitos deles fazem jornadas fora da rede pública para completar a renda, já que os salários não estão de acordo com o que a classe deve receber.
Levir Cruz de Lima, presidente da associação, ainda destacou a necessidade de enfrentar a concorrência desleal. “Precisamos de um combate duro à concorrência desleal. Os preços são impraticáveis e muitas vezes põe em risco a comunidade. São muitas clínicas populares com preços abaixo do mercado, e não vemos o que está por trás deste preço. E a gente sabe que o paciente precisa ser atendido conforme a saúde pública exige”, explicou o presidente da associação.
Sobre o caso exposto pela Associação de Odontologia da Região Tocantina, a presidente da OAB subseção Imperatriz, Márcia Cavalcante, destaca o interesse da instituição em direcionar a situação ao Ministério Público. “Não estamos advogando para a associação, mas queremos ajudar a fiscalizar e agir na comunidade, abrindo a nossa casa para a sociedade civil”, finaliza.
Ainda segundo a presidente, a nova diretoria da OAB Subseção Imperatriz tem feito planejamento de iniciativas para se aproximar cada vez mais da sociedade, prezando por transparência nessa nova gestão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário